Publicado em: sábado, 05/11/2011

Repressão na Síria mata 23 pessoas em manifestação realizada na sexta-feira

As Forças de Segurança da Síria mataram 23 pessoas na última sexta-feira (04) após mais um dia de protestos contra o regime do ditador Bashar al-Assad. As informações foram concedidas pelo Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) e os protestos foram convocados por ativistas a favor da democracia que acreditam que o governo não vai cumprir com o plano proposto pela Liga Árabe. Entre as diversas medidas, tal plano prevê também o fim da violência.

O governo de al-Assad acatou o plano “sem ressalvas” na última quarta-feira (02), mas ainda não demonstrou sinal de arrefecimento da repressão. De acordo com um levantamento feito pela Organização das Nações Unidas (ONU), a repressão já causou cerca de 3 mil mortes desde o início dos protestos em março. Os dados a respeito desta sexta-feira mostram que nove civis morreram em Homs, quatro em Hama, e oito na província de Damasco. A maior parte das vítimas foi morta a tiros.

As Forças de Segurança tentaram inclusive evitar grandes concentrações de fiéis com objetivo de seguirem com a grande oração tradicionalmente realizada na sexta-feira. Além dos mortos, vários manifestantes foram detidos, sendo que até mesmo quatro menores de idade, membros da família do presidente do OSDH.

Um texto publicado na página do Facebook do movimento conhecido como “Syrian Revolution 2011” declara “quanto mais o regime reprimir e matar, mais determinados ficaremos (…). O regime caiu no primeiro dia em que pedimos liberdade, e quando a primeira gota de sangue foi derramada pelas balas disparadas pelos tiranos”.