Publicado em: quarta-feira, 30/11/2011

Representante europeu na COP 17 defende abertura imediata do “fundo verde”

O negociador climático da União Europeia, Artur Runge-Metzger, afirmou nesta quarta-feira (30) que a 17ª Conferência da ONU sobre Mudanças Climáticas (COP 17) tem como uma das principais prioridades do bloco a efetivação do “fundo verde”, projetado para financiar acções de adaptação em países em desenvolvimento que vão sofrer consequências com as mudanças climáticas e para reduzir a emissão de gases estufa nas mesmas regiões. A Conferência está sendo realizada em Durban, na África do Sul.

Na COP anterior, a COP 16, foi criado um comitê específico para apresentar nesta edição um plano de funcionamento deste fundo. A última conferência foi realizada em Cancún, no México. De acordo com Runge-Metzger, o bloco europeu apóia a implantação do fundo. “Acreditamos que seria improdutivo ter mais discussões técnicas a respeito. Queremos a direção do fundo funcionando em 2012,” o que mostra a preferência por uma aprovação imediata desse recurso.

Runge-Metzger demonstrou maior preocupação com a expansão do setor energético, o que acarretaria na dificuldade de manter as metas previstas na reunião em Cancún para evitar o aumento da temperatura global em 2 ºC. Por isso, o representante europeu espera que sejam fixados novos limitas da emissão de gases e a partir disso possa ser calculado o quê deve ser cortado e onde deve ter mais investimento.

Outra esperança para a COP 17 é que seja assinado um novo Protocolo de Kyoto, que, atualmente, é o único documento que impõe limites na emissão de gases-estufa. Porém, algumas potências já se mostraram contrárias à renovação do acordo.