Publicado em: quarta-feira, 24/08/2011

Relatório aponta que combate a dengue no Paraná possui falhas

O Comitê Gestor Intersetorial de Controle da Dengue do estado do Paraná divulgo nesta segunda-feira (22) o relatório referente ao roteiro que supervisiona todas as regionais de saúde do estado e ainda os 54 municípios que são visto como prioridade no controle à dengue. A avaliação apresenta que vários municípios não estão preparados para fazer o combate a doença da maneira indicada.

O relatório indica que 40% dos municípios que passaram pela avaliação do comitê não possuem um comitê gestos. Ainda 55% não possui algum tipo de atividade de integração com os agentes de combate a endemias com os demais agente de saúde comunitária, 56,9% dos municípios possuem médio a alto riso de ocorrência de uma epidemia de dengue.

Sobre os agentes de combate, 35,4% não possui vínculo empregatício estável., 44,6% dos agentes não possuem um local apropriados para realizar o armazenamento dos inseticidas e 38,5% não realiza a triagem de pacientes a partir da aplicação do roteiro preconizado estabelecido pelo Ministério da Saúde.

No mês de julho, o superintende de Vigilância em Saúde do Estado do Paraná, Sezifredo Paz, disse que com a chega do inverno, e consequentemente temperaturas mais baixas, o mosquito transmissor da dengue teria o seu ciclo de multiplicação mais lenta, e logo as equipes iniciam o período pós-epidêmico. “Estamos trabalhando na estruturação de ações para evitar que a gente tenha problemas nos próximos meses”, comentou no mês passado.

Para tentar conte os avanços da dengue no estado, na sexta-feira (19) aconteceu na capital do estado, Curitiba, a primeira oficina do ciclo “Dengue: conhecendo para prevenir”. As atividades devem ser estendidas nas outras semanas aos demais servidores de saúde em todo Paraná.