Publicado em: sábado, 18/02/2012

Referendo decidirá se russo será língua oficial na Letônia

Neste sábado, dia 18 de fevereiro, os cidadãos da Letônia irão decidir em um referendo se desejam que o russo se torne a língua oficial do país báltico e, consequentemente, um dos idiomas falados pela União Europeia. O dirigente da organização “Rodnoj Jazyk” (Língua Materna), Vladimir Linderman, informou para a Agência Efe que esta consulta popular é uma resposta a “segregação” e a discriminação dos “russófonos” na Letônia.

Se caso a população da Letônia decida pelo “sim”, todos os documentos do governo deverão ser colocados em russo, e isso também irá acontecer com as diretrizes comunitárias e os atos oficiais do marco da União Europeia, que deverão ser traduzidos para o novo idioma. Linderman esteve em Estrasburgo para uma reunião com parlamentares da Europa. Ele recebeu aproximadamente 200 mil assinaturas para a realização da consulta popular no país, sendo que a Letônia possui 2 milhões de habitantes.

Consulta é uma maneira de haver diálogo

Liderman afima que cerca de 40% dos cidadãos do país considera o russo como sua língua materna, e que este referendo é uma proposta quase desesperada de que haja diálogo na melhor resolução do problema. Porém, os partidos do governo, Reforma e Unidade, não possui a mesma opinião a respeito. Os partidos governistas acreditam que a consulta popular é uma forma de provocação e apenas irá contribuir para a divisão social.

O ex-presidente letão e líder do partido da Reforma, Valdis Zatlers, informou à Agência Efe que o referendo faz uma pergunta impossível para a população, pois o russo, segundo ele, nunca será o idioma oficial do país. Zatlers ainda afirmou que o único intuito da consulta é causa um conflito entre a sociedade. O líder diz também que não há discriminação, e que a Letônia é uma sociedade democrática e aberta, onde não existem divisões sociais nem administrativas.