Publicado em: quinta-feira, 16/01/2014

Recalls no Brasil crescem 62% em 2013

Nesta quarta-feira, 15 de janeiro, o Ministério da Justiça divulgou um relatório sobre a quantidade de recalls realizados no Brasil em 2013. O relatório tem como base o número de campanhas de recall realizadas pelas empresas e, no último ano, a quantidade de substituições de produtos impressionou. Entre janeiro e dezembro de 2013, foram realizadas 109 campanhas no Brasil para a troca de produtos defeituosos, valor 62% maior do que o apresentado no período anterior. Em 2012, foram 67 campanhas para recall.

Ranking

O topo do ranking de recalls é composto por empresas do setor automotivo. Este segmento, em 2013, respondeu por mais da metade dos recalls no país. Com 61 campanhas, a indústria automobilística foi responsável por 56% dos recalls do ano. Esta lista tem como base caminhões e carros. Em seguida estão as motocicletas, com nove campanhas, e as bicicletas, com seis.

Em 2013, tivemos também outras seis campanhas para substituição de cadeiras plásticas e quatro para cadeiras infantis, além de outras quatro para componentes mecânicos e brinquedos. Segundo a Senacon (Secretaria Nacional do Consumidor), os veículos normalmente lideram a lista de recalls devido ao alto preço dos produtos e do risco que as falhas podem oferecer à vida de passageiros e motoristas.

Para Juliana Pereira, secretária da Senacon, o aumento no número de recalls não aconteceu por uma piora na qualidade dos produtos, mas pelo aumento nos níveis de exigência dos consumidores. Neste sentido, as redes sociais têm se tornado poderosas aliadas dos consumidores, que encontram na internet outros usuários que identificaram problemas semelhantes.

Variações

Apesar do aumento considerável na porcentagem de campanhas de recall no Brasil em 2013, Juliana Pereira ainda considera que o país tem um número muito baixo de ações de substituição para produtos com defeito. Em relação aos produtos não relacionados com a indústria automobilística, por exemplo, os norte-americanos tiveram um número de recalls quase trinta vezes maior do que o Brasil em 2013.

Se tomarmos a última década como parâmetro, as campanhas de recall no Brasil cresceram de 33 por ano para 109, o que representa um aumento maior do que 200%. Isto, para a Senacon, demonstra duas coisas: em primeiro lugar, o maior engajamento do consumidor. Em segundo lugar, uma maior preocupação das empresas com suas próprias imagens.

Campanhas de recall

O Código de Defesa do Consumidor proíbe que os fornecedores disponibilizem no mercado produtos ou serviços que possam representar um perigo à segurança dos clientes. Se for identificado algum defeito em produtos que já foram para o mercado, as empresas são obrigadas a informar o fato para as autoridades, além de divulgar na mídia uma campanha alertando os consumidores sobre os potenciais riscos.

As campanhas devem ser feitas em rádio, televisão e mídias impressas, trazendo informações claras sobre os riscos do produto e as medidas que os consumidores devem tomar para resolver o problema. As empresas têm também a obrigação de fazer a troca gratuita de qualquer produto que seja alvo de recall.