Publicado em: quarta-feira, 14/08/2013

Rebelião na Fundação Casa de SP termina com fugas

Rebelião na Fundação Casa de SP termina com fugasA PM de São Paulo, uma equipe da Polícia Militar, continua nas buscas pelos 32 foragidos de uma das unidades da Fundação Casa em Itaquera, em São Paulo, na Zona Leste. As fugas aconteceram logo após uma rebelião realizada pelos internos na tarde de segunda feira (12). Quase 60 internos conseguiram escapar, mas 22 deles já foram reencontrados. Hoje, a unidade Itaquera tem capacidade para receber 150 internos e na manhã da última terça feira (13) a situação já era novamente de tranquilidade.

Em Itaquera, a rebelião dos jovens internos teve início perto do meio dia e só encerrou por volta das 16 horas, quando os internos concordaram em liberar os 29 funcionários que estavam sendo feito reféns. Entre esta equipe de funcionários estava até mesmo o diretor da unidade da Fundação Casa, que acabou sendo liberado com ferimentos graves, sendo levado logo depois para atendimento em um pronto socorro, com hematomas nas costas e cortes na cabeça.

De acordo com a Fundação Casa, a Corregedoria Geral da entidade deve agora abrir uma sindicância, com a proposta de investigar e descobrir quais foram os motivos que motivaram o tumulto dos adolescentes internos. Esta rebelião ocorrida em Itaquera foi a segunda registrada na Fundação, somente na segunda feira (12). Isso porque na parte da manhã, na unidade da entidade na Vila Leopoldina, outra rebelião chegou a ser registrada, encerrando pouco depois do almoço. Mas neste caso, nenhum interno conseguiu escapar depois do tumulto na Zona Oeste de São Paulo.

Neste caso, na Vila Leopoldina, foram feitos 12 reféns pelos jovens rebelados, que foram liberados somente depois de quatro horas de tumulto dentro da entidade. Na unidade da Zona Oeste, a confusão foi iniciada depois de uma tentativa de fuga, logo no início da manhã. A assessoria de imprensa da Fundação Casa informou que os jovens queimaram colchões e cadeiras depois de terem sido impedidos de fugir. Os reféns foram liberados depois do almoço somente depois que a Corregedoria Geral e a Superintendência da Fundação Casa negociaram a liberação dos funcionários. Não forma divulgadas liberadas informações sobre feridos.