Publicado em: segunda-feira, 17/03/2014

Quanto mais dinheiro se tem, menos obrigações financeiras existem no Brasil

Quanto mais dinheiro se tem, menos obrigações financeiras existem no BrasilA pesquisa PricewaterhouseCoopers (PWC), encomendada pela BBC Brasil, apontou que a classe média alta brasileira paga menos imposto de renda, na comparação com a grande maioria dos países integrantes do G20, formada pelas 19 nações mais desenvolvidas do mundo, mais a União Europeia.

Para chegar ao resultado, foi realizada a comparação de três faixas anuais de renda anual, sendo elas £ 70 mil, £ 150 mil e £ 250 mil, que em reais são equivalentes a aproximadamente R$ 23 mil, R$ 50 mil e R$ 83 mil anuais, respectivamente, e em todos os casos, nacionais e estrangeiros, há a incorporação do 13º salário.

Nas duas maiores faixas anuais de renda, a terceira menor alíquota do Imposto de Renda na comparação pertence ao Brasil. Já na faixa dos R$ 23 mil, a alíquota nacional é a quarta menor na comparação com os países do G20.

Em valores reais, na comparação da segunda faixa de renda, o contribuinte brasileiro mantém 74% dos R$ 50 mil anuais após o débito do Imposto de Renda. Na média, os contribuintes da maioria dos países do G20 ficam com 67,5% de lucro após o abatimento do IR.

Na menor faixa, o Brasil é o quarto país que menos taxa a renda. Nesse caso, a distância em relação aos demais países é menor. Para quem ganha por ano o equivalente a 75 mil libras (cerca de R$ 23 mil por mês), tem sobra de 75,5% após recolher o IR no Brasil, e de 72% na média do G20.

Metade do dinheiro é do governo

Pelas menores desigualdades sociais, que geram mais bem-estar social, as maiores alíquotas europeias são mais elevadas do que nos demais países. Na Itália, por exemplo, quase a metade dos rendimentos da classe média alta ou da rica ficam retidos para o Estado. O percentual na Índia é de quase 40%, assim como no Reino Unido e na África do Sul.