Publicado em: segunda-feira, 16/04/2012

PT e PSDB não representam o centro da disputa eleitoral no RJ

Enquanto no cenário nacional o PT e PSDB se enfrentam há 18 anos, eles são meros coadjuvantes nas eleições no Rio de Janeiro, principalmente na capital. O PMDB é a força política mais atuante atualmente, tendo como figuras principais o governador Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes. Do outro lado há a candidatura de Marcelo Freixo, do PSOL, e também uma aliança regional entre o DEM e o PR, com o ex-prefeito Cesar Maia e o ex-governador Anthony Garotinho.

O PSDB teve seu momento forte entre 1994 e 1998 com Marcello Alencar. Em 2006, o partido elegeu 27 prefeitos e obteve 26,24% do total dos votos válidos nas disputas municipais. Já no pleito seguinte foram apenas 11 prefeitos e 15,78% do total de votos em todo o estado. Em 2004 foram 4 cidades e em 2008 somente oito. O espaço do partido diminuiu consideravelmente no estado.

PT cresce no interior, embora não tenha destaque na disputa na capital carioca

No caso do PT, as candidaturas cresceram ao longo da década de 1990. No entanto perderam espaço em 2002, com a gestão de Benedita da Silva no governo do Estado que foi considerada ruim. O partido, no entanto, tem crescido na região metropolitana e no interior. Em 2010 Lindberg Farias foi o candidato ao Senado com maior número de votos do estado, com 4,2 milhões. Ele já havia sido prefeito de Nova Iguaçu por duas vezes pelo partido. Embora o candidato quisesse mesmo concorrer às eleições para o governo do estado, em função de aliança entre o PMDB e o PT, Farias deixou a disputa para evitar um embate com o PMDB. Em troca, Sergio Cabral, que na época tentava a sua reeleição, daria apoio à eleição de Dilma Rousseff para presidência.