Publicado em: segunda-feira, 16/04/2012

PT de Curitiba escolhe pela coligação e vai apoiar Freut

O PT de Curitiba fez ontem as eleições das prévias para escolher os 300 delegados que participarão do encontro estadual agendado para os dias 27 e 28 deste mês. Havia duas chapas na disputa: uma que preferia a coligação e outra a candidatura própria. Quem venceu foi a chapa “Uma Aliança Para Mudar Curitiba Com Você”, que prefere a união com a base aliada. O grupo obteve a maioria dos 300 delegados.

Foram 1.093 votos para uma chapa com aliados, o que equivale a 57% dos eleitores, contra 817 na chapa que preferia candidatura própria. Essa parcela de eleitores representou 43%. No total serão 171 delegados da primeira chapa, contra 129 representantes da segunda.

Gleisi Hoffmann, ministra da Casa Civil, e Paulo Bernardo, das Comunicações, fazem parte da chapa que venceu e defendem a coligação com o PDT, em que o pré-candidato será o ex-deputado Gustavo Fruet. Ambos votaram no Colégio Estadual João Bettega. Segundo Bernardo, independente do resultado o partido estará unido e trabalhará junto.

Paulo Bernardo defende aliança e Dr. Rosinha candidatura própria

Segundo Bernardo, o papel do PT é se fortalecer para se preparar para 2014, sendo que na sua perspectiva a melhor forma para isso seria fazendo uma aliança na eleição municipal da capital do estado. Mesmo que Fruet tenha feito muitas criticas ao governo do PT enquanto deputado pelo PSDB, Bernardo disse que essa é uma postura típica da oposição. Para Bernardo a aliança é compreensível, pois o PSDB não quis mais o Freut como candidato.

Se a chapa que buscava uma candidatura própria tivesse vencido a disputa interna do partido, dois nomes já estavam em discussão para concorrer à prefeitura: Dr. Rosinha e Tadeu Veneri. Na perspectiva de Dr. Rosinha, se o partido quer se preparar para a disputa estadual de 2014 precisaria lançar uma candidatura e não “terceirizar” a disputa. Segundo ele, o partido teria força eleitoral para lançar uma candidatura, pois possuem o apoio do ex-presidente Lula, de Dilma e também de Gleisi.