Publicado em: quinta-feira, 13/02/2014

PT critica e fala em nota sobre projeto Antiterrorismo

PT fala sobre projeto AntiterrorismoPor meio de nota, o Partido Trabalhista (PT), criticou na quarta-feira (12), o projeto de lei antiterrorismo de autoria do senador Romero Jucá (PMDB-RR) e apoiado pelo deputado federal Cândido Vaccarezza (PT-SP), que tem o objetivo de penalizar manifestantes em até 40 anos de prisão, classificando como terrorismo o que tem acontecido nas manifestações.
A nota que foi de autoria do presidente nacional do PT, Rui Falcão, informa que nenhum de seus parlamentares tem ligação com projetos que apoiem a criminalização de movimentos sociais, e ainda, que o PT não aceitaria um texto que não deixasse claro quais tipos de crimes dentro das manifestações que devem ser penalizados. Ainda na nota informa que seus parlamentares recebem orientações para serem cautelosos na criação de projetos, afim de que a lei seja a favor e não contra a sociedade.

A morte do cinegrafista da Band, Santiago Andrade, atingido com um rojão em um protesto no Rio, acabou acelerando a votação, com isso os senadores petistas e o Palácio do Planalto se reuniram para tentar impedir a aprovação do texto, acreditando que essa não seja uma boa solução.

SEM ACORDO

O presidente afirma em nota que o fato das pessoas lutarem por causas sociais e se manifestarem com propósitos em comum, não pode ser considerado crime de terrorismo. Ainda demonstra preocupação com a Copa, dizendo que a sociedade precisa de segurança para que possa exercer a sua liberdade de expressão. Em recorrência da falta de acordo, a discussão sobre o projeto que aconteceria na terça-feira, (11), foi transferida para semana que vem. O Senador Pedro Taques (PDT-MT), apresentou ontem, quarta-feira (12), 4 emendas com o objetivo de alterar o texto de Jucá, possibilitando a retirada das penas mais severas contra os manifestantes, que foram estabelecidas no projeto.