Publicado em: terça-feira, 11/10/2011

PSDB define resoluções para impedir casos de infidelidade partidária

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), junto à cúpula da sua legenda, definiram resoluções que visam evitar casos de infidelidade partidária perante a possibilidade de transferências de filiações ao PSD, recém-fundado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. O principal objetivo é não deixar acontecer uma divisão interna no partido, como aconteceu em 2008, que leva nomes da mesma legenda a apoiarem candidatos diferentes nas campanhas eleitorais.

A primeira resolução aprovada é a de número 3/2011, a qual defende que os diretórios municipais tem direito e devem entrar com “ação com a finalidade de retomar o mandato daqueles que se desfiliarem sem justa causa”. Esta foi aprovada há dez dias pela cúpula do PSDB. Para dar validade à resolução, documento cita a resolução n.° 22.610/2007 do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a qual fala sobre fidelidade partidária. O texto explica que o mandato pertence ao partido e não ao candidato, o que garante à legenda o direito de retomar o mandato no caso de desfiliação sem justa causa.

Outra resolução ainda em fase de formatação, mas que logo será discutida na próxima reunião do partido, diz respeito a situações como o caso de 2008. O texto propõe que todos os membros do partido apóiem o candidato aprovado por convenção da legenda.

Isso dificultaria o apoio setorizado a Kassab. Independente disso, o prefeito de São Paulo já declarou que vai buscar o apoio do PSDB para lançar a candidatura de um nome do PSD. Porém, o PSDB conta com opiniões divergentes a respeito de Kassab.