Publicado em: sexta-feira, 30/09/2011

PSD recusa convite para participar de reunião com base aliada ao governo federal

O PSD, partido recém-criado e fundado por Gilberto Kassab, prefeito de São Paulo, recusou o convite para participar na próxima semana de uma reunião com a base aliada ao governo de Dilma Housseff, filiada ao PT. O argumento para deixar de fazer parte do encontro é o direcionamento escolhido para a nova sigla, que declarou independência para conduzir sua própria gestão. Líder do governo na Câmara, o deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) havia informado na quinta-feira (29) que o PSD seria convidado para a reunião.

Depois de efetivamente receber o convite, o deputado Guilherme Campos (SP), que passa a fazer parte do PSD, declarou que “agradeci a consideração do líder, o respeito e o carinho de fazer o convite, mas se nós estivermos presentes ao encontro, uma semana após o registro do partido, tudo aquilo que defendemos de independência ficaria sem sentido.” O registro do PSD foi aprovado nesta terça-feira (27) e logo em seguida Kassab se pronunciou a respeito da ideologia do partido.

O cargo ocupado por Campos foi garantido por conta da sua filiação ao DEM no momento das eleições. Agora, o deputado afirmou que o PSD já poderá contar com 19 deputados eleitos pelo Democratas, oito do PP, quatro do PR, quatro do PMN, três do PPS, três do PMDB, dois do PTB, dois do PSC, um do PSDB, um do PV e um do PCdoB.

Enquanto isso, líderes dos partidos citados não confirmam que seus integrantes vão deixar a sigla original para se juntarem ao PSD. No caso do PP, por exemplo, o deputado Agnaldo Ribeiro (PB) declarou que está trabalhando para manter os representantes.