Publicado em: sexta-feira, 18/11/2011

Protestos populares na Grécia perdem a intensidade

Milhares de pessoas foram hoje (18) às ruas em Atenas para realizar os primeiros protestos populares contra as medidas de austeridade desde a posse do novo primeiro-ministro da Grécia, Lucas Papademos.

As manifestações foram convocadas pelos dois maiores sindicatos gregas e tinham como objetivo advertir o novo gabinete para que não adote mais nenhum plano de rigor no país. As movimentações perderam a intensidade após a crise política que resultou em ameaças de exclusão da Grécia da zona do euro.

Os últimos protestos foram realizados no dia em que se celebra o levante estudantil de 1973 contra o regime militar que governou o país no período de 1967 e 1974. As palavras de ordem contavam com o tradicional ‘Fora FMI’ e também ‘Fora União Européia’. A Grécia chegou a correr o risco de ser obrigada a abandonar a zona do euro e consequentemente da União Européia.

A situação mudou quando Papademos decidiu convocar um referendo para deliberar sobre o último plano de socorro ao país, que foi avaliado em 130 bilhões, que poderá resultar em um calote parcial de 50% da dívida pública. Após isso, a intensidade dos protestos diminui. Poucos enfrentamentos têm marcado os protestos.