Publicado em: quinta-feira, 27/06/2013

Protestos no Chile por melhor educação leva milhares para ruas de Santiago

Protestos no Chile por melhor educação leva milhares para ruas de SantiagoEstudantes do Chile estiveram realizando protestos durante a quarta-feira (26) na capital Santiago e colocaram fogo em dezenas de barricadas. Eles também estiveram bloqueando acessos para instalações de mineração, durante uma radical movimentação para que exista uma profunda reforma da educação no ano eleitoral do País.

Aproximadamente 30 barricadas foram feitas próximo a colégios e de universidades na região de Santiago, o que fez com que existissem gigantes engarrafamentos e um caos completo durante a maior hora de movimento da capital do Chile, que conta com 6 milhões de moradores.

Os incidentes com maior gravidade ocorreram próximo à Faculdade de Filosofia da Universidade do Chile, em que existiram confrontos envolvendo pessoas com capuzes e forças da polícia especial, que estiveram repelindo ataques usando jatos d’água além de bombas com gás lacrimogêneo.

O registro que se tem até o momento é de dez pessoas detidas, conforme aponta a Polícia chilena. Conforme apontam os organizadores, aproximadamente 100 mil pessoas estiveram presentes na manifestação.

O ministro do Interior e Segurança Andrés Chadwick desqualificou os protestos dizendo que não eram estudantes e sim delinquentes, extremistas, que disse que estiveram agindo de uma maneira simultânea que disse ser coordenada e já preparada.

A porta-voz Isabel Salgado dos estudantes secundaristas diz que estão mobilizados há anos e não tiveram resposta alguma sobre isso e ainda exigiu que a ministra Carolina Schmidt da Educação renunciasse ao cargo.

O presidente Sebastián Piñera do Chile condenou o que chamou de violência e anunciou que irá enviar para o Congresso uma lei para que combata desordens públicas que dará meios para que a polícia identifique manifestantes de maneira preventiva.

Esta medida vai se somar com propostas que já foram enviadas pelo governo para que fossem detidos encapuzados e que fossem classificados crimes como insultos para os policiais entre outras atitudes que beira a ditadura.