Publicado em: quarta-feira, 26/06/2013

Protestos no Brasil interferem na economia com países vizinhos

Protestos no Brasil interferem na economia com países vizinhosOs protestos que movimentaram o Brasil na última semana não têm repercutido apenas em mais de cem cidades do país. As interferências também tem chego nas relações comerciais entre o Brasil e os países vizinhos da América Latina. As manifestações, que tem diversas frentes, como melhoria na qualidade do transporte público, diminuição dos altos investimentos na Copa do Mundo e também a briga para que a PEC 37, conhecida como PEC da impunidade, não fosse aprovada, o que realmente aconteceu em sessão extraordinária na noite de ontem (25) na Câmara.

Os países vizinhos estão cada vez mais preocupados com o andamento da economia brasileiras, ainda mais com a continuidade das manifestações em diversas cidades do país, mesmo com a redução da tarifa do ônibus, a principal reivindicação dos grupos. A repercussão dos protestos foram tão grandes que chegou a ter destaque na mídia internacional, principalmente latino-americana. O problema é que a influência econômica do Brasil é tão grande na região, que esta manifestações tem afetado toda a América latina.

Chile e Argentina são os principais parceiros comerciais, tendo investido em peso no Brasil nos últimos anos, além de ser um grande receptor de imigrantes em busca de melhores oportunidades. De acordo com uma analista política-econômica do Centro de Estudos Trabalhistas e Agrários, a situação brasileira é bastante preocupante para os outros países, como no caso da Bolívia, que envia gás para as nossas indústrias seguirem em funcionamento.

Os analistas avaliam ainda no caso da Bolívia, que tem muitos imigrantes vivendo e trabalhando no Brasil principalmente no setor têxtil, podem ter a população migrando rapidamente mais uma vez, já percebem com facilidade quando a situação econômica deixa de ser favorável. Isso significaria perda de mão de obra para o Brasil, que é atualmente o principal destino de imigração na América Latina.