Publicado em: quarta-feira, 05/02/2014

Protagonistas da segunda fase de Em Família falam sobre ciúme

Personagens de Em Família falam sobre ciúmeNa trama de Manoel Carlos, o ciúme que o personagem Laerte, interpretado pelo ator Guilherme leicam, sente da sua namorada Helena, Bruna Marquezine, é tão profundo quanto seu sentimento por ela. Helena é provocativa e não tenta evitar situações que levem o namorado ao descontrole e, com ataques frequentes de raiva, Laerte desconta sua ira principalmente em Virgílio, apaixonado pela namorada do amigo.

Para a atriz Bruna Marquezine, nada em excesso pode ser saudável para um relacionamento. Embora diga que o ciúme, sem exagero, seja importante para demonstrar o quanto se gosta de alguém, afirma que nada pode ser generalizado, cada caso é um caso, e que é muito complicado fazer qualquer tipo de julgamento. Se tudo que é em excesso faz mal, o ciúme principalmente, porque é um medo de perder a outra pessoa que ao extremo acaba sufocando e criando brigas sem motivo. A partir daí a pessoa fica cega e para de acreditar no outro, afirma.

Já Guilherme Leicam, diz já ter sentido o gostinho do ciúme, mas nada comparado ao que o obsessivo e ciumento Laerte sente por Helena. Para ele, em um relacionamento é preciso dar espaço e, embora já tenha vivido um amor que despertou ciúmes, nunca tentou dominar a mulher. Disse ainda que guarda na memória relacionamentos com situações nas quais chegou a discutir por causa de ciúme, mas nada tão intenso como as situações que Laerte e Helena vivem.

Cena de amor

Durante uma tempestade, Laerte aproveita a falta de luz e invade o quarto de Helena. Afoito, derruba uma cadeira que chama a atenção de Ramiro (Oscar Magrini), pai de Helena. Ele se esconde no banheiro e Helena convence o pai a ir dormir. Então diz para o primo que não quer mais conversa e que para ela a relação acabou. Discutem e Laerte agarra a prima, que se rende ao amor que sente, e passam a noite juntos.

Para Bruna Marquezine, o mais importante na sequência foi transmitir o sentimento existente entre os dois personagens através da interpretação, enquanto as pessoas dão mais valor ao ato em si que à cena.

(Com informações da Globo)