Publicado em: quinta-feira, 14/06/2012

Propina teria pago liberação de shoppings em São Paulo

Daniela Gonzalez, ex-diretora financeira da BGE, empresa pertencente ao grupo Brookfield, declarou que a multinacional chegou a pagar, entre 2008 e 2010, cerca de R$ 1,6 milhão em propinas para conseguir a liberação das obras irregulares nos shoppings Higienópolis e Paulista, ambos na cidade de São Paulo.

Ela garante a empresa, responsável pela administração de diversos shoppings, forneceu propina paraa Hussain Aref Saab, ex-diretor do setor de aprovação de prédios da prefeitura, e também para o vereador Aurélio Miguel (PR). Os dois afirmam que as acusações são falsa.

Através de uma nota, a Brookfield, afirmou que não compactua com ações ilegais e que todos os seus funcionários tem a obrigação de atender a um código de conduta. A BGE também se manifestou a respeito e afirmou desconhecer atos de suborno e corrupção em relação ao poder público para que houvesse a liberação de shoppings com os quais mantém sociedade.

Augusto de Arruda Botelho, advogado de Hussain Aref Saab, falou que seu cliente “nega categoricamente” o recebimento de propina para liberar qualquer empreendimento imobiliário durante a época em que dirigiu o Aprov (Departamento de Aprovação das Edificações). Além disso o advogado declarou que seu cliente nunca teve qualquer contato com Daniela Gonzalez.