Publicado em: terça-feira, 11/06/2013

Propaganda do Ministério da Saúde foi retirada do ar

Propaganda do Ministério da Saúde foi retirada do arA campanha publicitária retirada do ar era uma peça onde quatro prostitutas falavam de prevenção à Aids. Durante a propaganda elas diziam “Sou feliz sendo prostituta”. Mesmo sendo retirada do ar, as profissionais do sexo que participaram da campanha vão enviar uma notificar extrajudicial pedindo a revogação da autorização que deram cedendo o uso de suas imagens, além de exigirem que sejam suspensas todo material publicitário em que elas atuaram.

O que aconteceu para que elas mudassem de ideia, de acordo com as prostitutas, era que a campanha original proposta não foi mantida e houve uma transformação radical de proposta de conteúdo, deixando de dar privilégio a enfrentar o estigma e o preconceito da profissão e em estratégia de prevenção de doenças sexualmente transmissíveis e Aids.

A nova propaganda teria foco apenas ao uso da camisinha, simples e sem mais. Sem qualquer outra informação e usando a imagem de prostitutas, parece estar ocupando espaço e send,o para elas, higienizada e fora de contexto.

A notificação que foi elaborada pela Rede Brasileira de Prostitutas diz que a proposta original da propaganda era a de dar informações biomédicas para a educação de cidadãos e a promoção da saúde no país, em especial a grupos e nichos da sociedade que apresentam maior vulnerabilidade, principalmente em razões sociais de preconceito e discriminação.

O ministro da Saúde, Alexandre Padilha, depois que começaram as divulgações desta campanha, no começo do mês, determinou que o diretor do departamento que é responsável pelas peças publicitárias, no caso, Dirceu Greco, fosse imediatamente demitido.

O Departamento de DSTs, Aids e Hepatites Virais do ministério criou as peças e é chefiado por Greco, que organizou uma oficina onde tudo começou. A oficina junto a profissionais do sexo, aconteceu na cidade de João Pessoa, na Paraíba no mês de março deste ano. Para o Ministério da Saúde, o processo e o resultado, desta campanha não atendeu ao foco principal deste projeto, que é a saúde das prostitutas.