Publicado em: sexta-feira, 16/03/2012

Promotoria pede que advogada de Lindemberg seja investigada

A Promotoria Criminal de Santo Amaro, na cidade de São Paulo, irá solicitar que Polícia Civil abra inquérito visando investigar a conduta de Ana Lúcia Assad, advogada de defesa de Lindemberg Alves. Ele foi condenado, em fevereiro, a quase cem anos de prisão por ter sequestrado e matado a ex-namorada, Eloá Pimentel, no ano de 2008.

A razão do pedido de verificação é uma discussão que ocorreu entre Ana Lúcia e Milena Dias, juíza do caso, durante o julgamento do réu. A advogada havia mencionado o “princípio da verdade real”, contudo a juíza disse que desconhecia este termo. Então, Ana Lúcia afirmou que a juíza tinha que voltar para a faculdade. “A senhora deveria ler mais, voltar a estudar”, declarou.

No momento em que isso aconteceu, a promotora Daniela Hashimoto fez uma advertência à advogada, avisando que aquilo poderia ser entendido como algum desacato à autoridade. Ao ler a sentença, Milena Dias falou que Ana Lúcia foi “jocosa, irônica e desrespeitosa”, acusando-a de “crime contra a honra”. Além disso, ela pediu também que fosse levada ao Ministério Público uma cópia da decisão. Ainda assim Ana Lúcia Assad recebeu elogios da própria promotora responsável pelo caso, por sua atuação ao defender Lindemberg.

Após ler a ata de julgamento e também a cópia da sentença, Iusara Brandão, promotora de justiça, resolveu solicitar à Delegacia Seccional de Santo André que apure o caso. Ainda não há detalhes a respeito do andamento das investigações.

Pata o advogado Antônio Ruiz Filho, que preside a Comissão de Direitos e Prerrogativas da OAB-SP, esse tipo de debate é considerado normal em tribunais. Ele afirma que em casos onde ocorrem discussões no júri, o fato acaba sendo acalorado e por isso acredita que esse será mais um dos casos esquecidos.