Publicado em: sexta-feira, 03/05/2013

Promotor que fazia acusação contra ex-ditador Musharraf é morto a tiros no Paquistão

Promotor que fazia acusação contra ex-ditador Musharraf é morto a tiros no PaquistãoO promotor que estava comandando a acusação federal contra o ex-ditador Pervez Musharraf do Paquistão em um caso que envolvia o atentado sofrido pela ex-primeira ministra Benazir Bhutto, foi morto a tiros durante a sexta-feira (3) na cidade de Islamabad, capital do País.

Homens abriram fogo contra o carro em que Chaudhry Zulfiqar estava e assassinaram o advogado, que é membro da Agência Federal de Investigação (FIA, na sigla em inglês), além de uma mulher que estava junto dele e que não teve sua ligação com ele esclarecida. Este ataque, que ocorreu durante as primeiras horas desta sexta-feira em uma área que fica próxima do centro da cidade de Islamabad, também chegou a ferir um guarda-costas de Zulfiqar.

Este atentado que atingiu o advogado aconteceu algumas horas do que estava marcado para ser o reinício do julgamento da morte de Bhutto, que é marcardo para ocorrer na cidade de Rawalpindi. Era previsto que a FIA apresentasse um relatório durante a sexta-feira.

Musharraf está em uma prisão domiciliar por causa dos vários casos que foram abertas contra ele, e ainda é acusado de negar para Bhutto a proteção devida e ainda ignorar de maneira deliberada ameaças contra ela. A consequência disso foi que a ex-primeira-ministra sofreu um ataque que fez com que ela fosse morta.

O ex-chefe do Exército foi interrogado pela FIA por causa da relação com a negligência de policiais que chegaram a limpar a cena deste crime que assassinou Bhutto em horas depois do atentado, o que fez com as investigações sobre o caso ficassem mais complicadas.

Fora isto, o advogado que foi assassinado era encarregado de fazer a investigação da organização de atentados que ocorreram no mês de novembro de 2008 que deixaram 166 pessoas mortas na cidade indiana de Mumbai.