Publicado em: segunda-feira, 03/06/2013

Projeto procura por pessoas HIV-positivos que deixaram tratamento

Projeto procura por pessoas HIV-positivos que deixaram tratamentoPessoas responsáveis pelo setor de saúde pública de Nova York implantaram um projeto que pode encontrar pessoas com HIV-positivos que se perderam durante o acompanhamento do tratamento médico. O esforço da equipe de saúde faz com que a maior parte das pessoas a recomeçar o tratamento.

A pesquisa é coordenada por Chi-Chi N. Udeagu e por profissionais do New York City Department of Health and Mental Hygiene. O levantamento aponta ainda que a terapia antirretroviral é fundamental principalmente devido ao foco que o tratamento possui na prevenção do HIV. A revista chamada AIDS é que publicou o estudo.

As pessoas atestadas com resultado positivo no HIV foram localizadas através do serviço de vigilância do vírus em Nova York, que conseguiu achar os pacientes que não possuíam dados atualizados a respeito dos testes de rotina feitos em laboratórios.

A partir da localização dos pacientes, foi a vez dos profissionais de saúde telefonarem, enviarem e-mail e fazerem visitas às casas e até mesmo pesquisar pela internet para conseguir contatar os pacientes que estavam perdidos.

Depois de localizados, os pacientes tiveram auxílio para voltar a fazer o tratamento com a terapia. A equipe de saúde também se esforçou para que pudesse identificar os parceiros que também poderiam ter contraído o HIV. Dos 797 pacientes, foram localizados 689. Destes, 5% tinham mudado de cidade ou haviam sido presos. Outros 2% haviam morrido.

Além disso, 77% dos pacientes concordaram em se submeter à consulta em clínica especializada em HIV e 57% aceitaram retomar o tratamento. 40% dos pacientes informaram que deixaram o tratamento, pois se sentiam bem. Outros abandonaram o tratamento porque tinham muitos afazerem na rotina, por causa dos efeitos dos remédios para o HIV e que se sentiam bem e não achavam que precisavam de tratamento. Outras razões incluíram responsabilidades do dia-a-dia, depressão, falta de confiança na equipe de saúde, entre outros.