Publicado em: segunda-feira, 09/03/2015

Professores e funcionários da rede estadual suspendem greve no Paraná

Em assembleia realizada na manhã de hoje, os professores e também funcionários da rede estadual de educação votaram por suspender a greve que havia sido deflagrada no dia 9 de fevereiro, completando quase um mês de paralisação. A decisão foi tomada após votação da maioria dos profissionais que estiveram presente na Assembleia. A discussão e votação dos professores aconteceu em Curitiba, no Estádio da Vila Capanema. Durante o período de greve, mais de 950 mil alunos foram afetados pela paralisação das atividades e dependem agora da reformulação do calendário letivo. Os professores votam pelo retorno das aulas em 12 de março.

Foram 29 dias de greve, período em que os profissionais ficaram acampados em frente a Alep, a Assembleia Legislativa do Paraná, somados a realização de uma série de protestos. No histórico dessa mobilização dos professores está uma ocupação do Plenário da Alep, no dia 10 de fevereiro. Na quarta feira, dia 4 de março, os professores haviam realizado uma nova assembleia, onde votaram por continuar com a greve. A reunião foi encerrada com uma marcha de 20 mil professores em direção a Assembleia Legislativa. Foi também nesse dia que o Tribunal de Justiça do Paraná determinou o retorno imediato dos professores ao trabalho.Professores e funcionários da rede estadual suspendem greve no Paraná

Na assembleia, os professores também votaram pela manutenção do estado de greve. Isso significa que caso as reivindicações dos professores não sejam cumpridas pelo governo do estado do Paraná, os profissionais podem novamente paralisar as atividades em sua totalidade. A direção do sindicato que atende a categoria informou que as atividades serão retomadas normalmente na quarta feira, dia 11 de março, com retomada das aulas no dia seguinte. Os alunos agora precisam aguardar a readequação do calendário escolar da rede estadual, que ficou atrasada em aproximadamente um mês. Isso pode significar que para fechar em 200 dias letivos, o calendário de agora poderá prever a realização de aulas aos sábados ou até mesmo durante o período de férias.

A paralisação pode acabar resultando em desmotivação dos alunos, enquanto um grupo muito maior segue preocupado com a prestação de concursos e realização de vestibulares, considerando estes atrasos na realização das aulas. Os mais de 950 mil alunos que ficaram sem aulas durante este período do ano letivo de 2015 retomam as atividades no dia 12 de março, iniciando o calendário deste ano apenas no mês de março. As aulas deveriam ter começado no início do mês passado, em 9 de fevereiro.