Publicado em: sexta-feira, 16/03/2012

Professores de SP fazem assembleia no Morumbi

O Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo, a Apeoesp, convocou a realização de uma assembleia da categoria para hoje (16), no Palácio dos Bandeirantes, a sede do Governo do Estado.

A categoria participou da paralisação nacional de três dias, convocada pela Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE) e agora irão decidir na assembleia se mantém a paralisação ou não.

Mesmo que o ponto oficial da assembleia seja o Palácio dos Bandeirantes, a direção da Apeoesp declara que a concentração para um ato deve ocorrer nas proximidades do Estádio do Morumbi, já que existe a expectativa de que o policiamento da sede do Governo seja reforçado.

A principal demanda dos professores é que seja destinado um terço da jornada de trabalho para atividades extraclasse, uma regra que já está prevista na lei que determina o piso salarial para a profissão.

Balanço

De acordo com a presidente da Apeoesp, Maria Izabel Azevedo Noronha, aproximadamente 40% dos docentes participaram nos dois primeiros dias de paralisação. A expectativa da presidente é que com a paralisação de hoje este número alcance 80%.

A Secretaria de Educação afirmou que apenas 5% dos professores não estiverem presentes nas aulas de quarta feira (14). A secretaria ainda destaca que este número corresponde a média diária habitual.

A Lei Nacional do Piso Salarial do Magistério foi estabelecida em 2008, determinando um valor mínimo que precisa ser pago aos docentes com formação de nível médio, com jornada semanal de 40 horas. De acordo com o sindicato, a secretaria tem cumprido a remuneração mínima do valor estabelecido pelo piso, entretanto, sobre a jornada de trabalho, o governo e o sindicato realizam interpretações diferentes da legislação.

O sindicato defende que o período de sete aulas seja destinado a atividades, como no caso, correção de provas e preparação das aulas. Atualmente, esse período corresponde a apenas uma aula.