Publicado em: quarta-feira, 04/04/2012

Professor é suspeito de matar cortador de cana no interior de SP

Conhecido por descobrir uma espécie rara de crocodilo-tatu que viveu no interior do estado de São Paulo há cerca de 90 milhões de anos, um professor de 62 anos está virou procurado pela polícia acusado de ter assassinado uma pessoa e deixado uma outra ferida depois de uma briga a respeito do barulho que acontecia na casa de vizinhos, durante a madrugada deste domingo (1), na cidade de General Salgado, interior de São Paulo.

O professor teria ficado bravo com o volume alto devido a uma festa, que estava sendo realizada do lado de onde morava, em uma república formada por cortadores de cana que haviam chegado do nordeste há cerca de três meses para atuar nas usinas de açúcar e álcool dos arredores da cidade. Após brigar com os trabalhadores rurais, o homem teria voltado até sua casa, pegado uma carabina e retornado para a república, onde realizou ao menos cinco disparos.

José Raimundo Patrício Ferreira, de 33 anos, foi atingido por dois tiros e morreu na hora. Seu colega, um rapaz de 19 anos, também foi atingido pelos tiros e está em estado grave no hospital. Logo depois de atirar, o suspeito fugiu e os outros cortadores de cana jogaram pedras e colocaram fogo na casa do professor, como forma de protesto.

Na casa, a polícia encontrou a carabina calibre 22 usada no assassinato e deixada pelo professor. O advogado do professor já entrou em contato com a polícia para informar que o suspeito deve se apresentar nos próximos dias. De acordo com informações da polícia, o professor estaria com medo de sofrer represálias. Segundo testemunhas, as discussões entre ele e os cortadores eram constantes.