Publicado em: terça-feira, 17/07/2012

Procura por remédio contra asma sobe 60% com distribuição gratuita em farmácias populares

Os dados apresentados ontem pelo governo indicam que a procura por remédios contra asma subiu 60% no primeiro mês em que os medicamentos para a doença foram incluídos na lista de distribuição gratuita do Ministério da Saúde. Durante os 35 primeiros dias de vigência da medida, mais de 83 mil pessoas procuraram os postos de saúde e unidades do SUS para pedir um dos três medicamentos disponíveis gratuitamente. Os remédios também estão disponíveis nas farmácias populares. Desse total 47 mil pacientes procuraram as unidades das farmácias populares em 1084 municípios considerados em estado de miséria. O governo alerta que a asma é um problema muito constante em crianças e é também um dos motivos mais freqüentes da internação infantil no Sistema Único de Saúde (SUS). Somente em 2011 foram constatadas internações de 71,1 mil crianças com idade de até seis anos. Com o programa da inclusão dos medicamentos na lista de distribuição gratuita, o governo espera que haja uma redução na quantidade de doentes no país. Conforme explica Luiz Henrique Costa, diretor substituto do Departamento de Assistência Farmacêutica, do Ministério da Saúde, muitas pessoas passaram a adquirir o remédio com a distribuição e isso significa que muitas delas, embora precisassem do remédio, não compravam por falta de condições econômicas. Ele disse, ainda, que os medicamentos possuem alta procura, mas que as pessoas não estavam adquirindo.

Não haverá falta do medicamento, diz representante do Ministério da Saúde

Segundo Costa, mesmo com o aumento da procura, não é preciso temer pela falta do medicamento, pois não há perigo com relação a isso. Ele ressaltou que quando o governo resolver incluir os medicamentos contra a asma na lista, foi pesquisado se haveria risco de desabastecimento em função da demanda. Ele disse ainda que a produção é nacional e é feita pela FioCruz e também por outras indústrias. A distribuição do medicamento está incluído no Programa Brasil sem Miséria. Trata-se especificamente da ação chamada de “Saúde Não Tem Preço”, que pertence à Farmácia Popular. Estima-se que o programa Farmácia Popular alcance, até final de 2012, 2.365 municípios. Atualmente são mais de 30 mil farmácias e também empresas privadas que oferecem os medicamentos de forma gratuita.