Publicado em: quinta-feira, 16/08/2012

Procon diz que endividamento causa impactos na saúde dos consumidores

Procon diz que endividamento causa impactos na saúde dos consumidoresQuem tem alguma dívida sabe o quanto isso é preocupante e afeta o nosso bem estar. Pois não é só impressão. Uma pesquisa feita pelo Procon de São Paulo mostrou que os consumidores que têm dívidas e mais da metade do seu orçamento comprometido podem ter a sua saúde psicológica afetada.

O estudo foi feito durante um projeto-piloto de um grupo de apoio a pessoas superendividadas entre janeiro e junho do ano passado. Agora, o Procon quer inaugurar esse núcleo no início do mês que vem.

O projeto realizado pelo Procon mostrou que um terço das pessoas que estão superendividadas tem algum problema de saúde. De acordo com Vera Remedi, que é assessora executiva do Procon de São Paulo, 288 pessoas foram atendidas no período do estudo e através delas foi possível descobrir que o endividamento causa um forte sofrimento psicológico em quem deve. Entre os problemas verificados estão a insônia, problemas em casa e até divórcios.

O Programa de Apoio aos Superendividados do Procon, que vai começar a funcionar a partir do começo de setembro, vai prestar atendimento de orientação tanto financeira, quanto psicológica para as pessoas endividadas. O núcleo também irá promover, junto com o Tribunal de Justiça de São Paulo, a renegociação de dívidas. O TJ será o responsável por fazer uma análise que irá avaliar se o devedor está superendividado.

Serão realizadas palestras voltadas para a educação financeira e também de saúde. Depois de participar delas, a pessoa que está endividada será encaminhada ao Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania do Tribunal de Justiça de São Paulo, onde acontecem as sessões de reconciliação junto aos credores.

De acordo com os especialistas em economia, um dos principais motivos que levam os consumidores para a situação de superendividamento são os juros altos. Paulo Gala, que é professor de economia da FGV, explicou que quando a taca de juro é de 30% a 50% ao ano, a dívida dobra a cada dois anos. Para ele, o superendividamento é resultado da explosão da dívida por conta dos juros.