Publicado em: sábado, 26/11/2011

Processo contra Kassab pode chegar a R$ 1,1 bilhão

A ação civil proposta em razão de supostas fraudes no contrato da Prefeitura de São Paulo com a Controlar (empresa responsável pela inspeção veicular), foi dado pelo Ministério Público Estadual o valor de R$ 1,1 bilhão. Para o MPE, a Prefeitura deve devolver R$ 54 milhões arrecadados com as multas e cerca de R$ 420 milhões pagos pelos motoristas pela inspeção.

Ontem (25), a Justiça determinou o bloqueio dos bens do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD), do secretário municipal do Verde e do Meio Ambiente, Eduardo Jorge (PV) e de Carlos Seabra Suarez e sua mulher, Abigail Suarez, empresários donos da CS Participações. Eles eram os proprietários da Controlar, cujo controle foi repassado a CCR em 2009, após a reeleição de Kassab.

A posição foi decidida para resguardar o pagamento dos supostos prejuízos aos cofres públicos e, juntamente, aos donos de veículos em São Paulo. Esse é o mais duro golpe judicial que Kassab sofre desde que assumiu o cargo, no ano de 2006.

O MPE queria a suspensão imediata da inspeção, devido as ilegalidades, fraudes e irregularidades existentes no contrato. Entretanto, o juiz Domingos de Siqueira Frascino decidiu manter a inspeção e realizar uma nova licitação para escolher outra empresa, em até 90 dias.