Publicado em: segunda-feira, 29/08/2011

Primeiro-ministro japonês renuncia em acordo com a oposição

O primeiro-ministro do Japão, Naoto Kan, entregou a sua renúncia na sexta-feira (26) depois de ter recebido críticas pela sua atuação durante a crise do país causada pelo terremoto e o tsunami que provocaram a destruição de algumas cidades e a contaminação nuclear pelas usinas danificadas. A tragédia aconteceu em 11 de março e desde então o trabalho do primeiro-ministro esteve sob avaliação. No mês de junho, Kan havia anunciado que renunciaria caso três propostas fossem aprovadas pelo Parlamento japonês.

Como tais propostas foram aprovadas, agora o primeiro-ministro cumpriu com a sua parte do acordo. A oficialização da sua renúncia faz com que o país tenha seis primeiros-ministros no período de cinco anos. O Partido Democrático, que atualmente governa o país, fica com a responsabilidade de indicar um novo nome para ocupar o cargo. A noemação deve ser feita na segunda-feira (29). A reunião durante a qual Kan decidiu renunciar foi transmitida pela televisão em rede nacional.

Além da veiculação do momento em que a renúncia foi decidida, Kan se comprometeu a participar de uma coletiva de imprensa ainda na sexta-feira. O então primeiro-ministro quase completou 15 meses no poder e declarou que fez tudo o que pôde para tentar conter a crise e as disputas internas dentro do seu partido.

Em seu pronunciamento, Kan declarou que “nestas circunstâncias difíceis, acredito ter feito tudo o que eu tinha que fazer. Agora gostaria de ver vocês escolherem alguém respeitável como primeiro-ministro.” O ex-primeiro-ministro tem 64 anos e o próximo a ser indicado terá que lidar com um Japão ainda devastado pelas tragédias.