Publicado em: domingo, 09/09/2012

Primeiro hospital público para animais sofre com excesso de demanda

O primeiro hospital veterinário público da cidade de São Paulo, que está instalado em Tatuapé, na zona leste da capital paulista, foi inaugurado há pouco mais de dois meses, mas já está sofrendo problemas por conta do excesso de demanda de atendimentos. De acordo com os donos dos animais que procurar atendimento no hospital, os casos graves já não estão recebendo o tratamento que seria necessário.

O hospital público, que faz atendimentos gratuitos para a população de baixa renda, foi criado graças a uma parceria da prefeitura de São Paulo com a Associação Nacional dos Clínicos Veterinários de Pequenos Animais, a Inclivepa de São Paulo. De acordo com um convênio assinado pelos dois órgãos, a prefeitura repassa a cada mês o valor de R$ 600 mil para o hospital.

Para restringir a demanda de atendimentos no local, há uma placa logo na entrada do hospital que diz que o serviço é gratuito, mas voltado para animais que vivem em abrigos públicos e que sejam de família de baixa renda e cadastrada em programas sociais do governo federal, como o Bolsa Família, por exemplo.

São realizados 30 atendimentos por dia no local, fora as emergências. Para que os animais passem pelo atendimento, os donos dos animais precisam ser aprovados no teste de pobreza, que é feito por uma assistente social da instituição como forma de fazer com que pessoas que podem pagar pelo atendimento procurem clínicas veterinárias privadas.

O veterinário Renato Tartalia, de 48 anos, que é diretor do hospital veterinário, disse em entrevista que já esperava que a procura por atendimento no local fosse grande. A estimativa da prefeitura é de que São Paulo, que tem uma população humana de 11,5 milhões de habitantes, tenha cerca de quatro milhões de cães e gatos.