Publicado em: domingo, 02/03/2014

Prestes a estrear nova fase do “Agora É Tarde”, Rafinha Bastos não foge da raia diz que entrevistaria Wanessa

Prestes a estrear nova fase do “Agora É Tarde”, Rafinha Bastos não foge da raia diz que entrevistaria WanessaA nova temporada do talk show “Agora É Tarde”, da Band, agora sob o comando de Rafinha Bastos, promete muitas entrevistas imperdíveis e polêmicas. Sem medo de cara feia, o comediante que é perseguido por seu estilo de humor, afirmou em entrevista coletiva que adoraria entrevistar Wanessa.

Ela foi pivô de uma briga que não só rendeu processos como a demissão de Rafinha da própria Band, onde participava da bancada do “CQC”. Em 2011 Wanessa estava grávida, e ao replicar uma piada que já era feita há algum tempo no programa, Bastos afirmou que “comeria ela e o bebê”.

O apresentador garantiu que não tem qualquer restrição quanto a quem possa ou não ser entrevistado. Até o momento, apenas os nomes de Luan Santana e Lobão foram confirmados como convidados. O segundo, inclusive, deve assumir o lugar de Rafinha Bastos na equipe de “A Liga”, e também é conhecido pelo estilo polêmico.

Pessoa errada

Para Rafinha Bastos, tudo o que aconteceu em sua trajetória serviu para deixa-lo mais preparado para os novos desafios. O principal problema foi justamente o com Wanessa, que gerou grande repercussão. Segundo o humorista, a piada só gerou tanta dor de cabeça porque foi feita com uma pessoa famosa, e em um momento de grande exposição do CQC.

Apesar de tudo, Rafinha não se considera perseguido, e nem mesmo uma vítima. Ele afirma que tudo é resultado de ele ter “dado a cara a tapa”, mas que não se arrepende das brincadeiras que geraram polêmicas.

O último entrave judicial foi com a Apae, após uma piada em que afirmava que fez o uso de camisinha com efeito retardante, e que por conta disso seu pênis teve de ser “internado” na instituição. A Apae exigia retratação, indenização de R$ 200 mil, além da proibição de piadas do gênero durante apresentações de Rafinha Bastos.

Porém, o juiz responsável pelo caso na 2ª Vara Cível de São Paulo deu ganho de causa a Rafinha, em primeira instancia, por considerar “nonsense” o judiciário ter de julgar uma piada. Além disso, foi revogada a liminar que impedia a venda do DVD “A Arte do Insulto”, show no qual foi feita a piada.