Publicado em: sexta-feira, 04/05/2012

Presidente garante que Leão concordou com afastamento de zagueiro

O presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio, negou qualquer tipo de crise no clube, por conta da decisão de afastar o zagueiro Paulo Miranda. O dirigente afirmou que o técnico Emerson Leão concordou com a decisão, e que não recebeu nenhum tipo de reclamação após o corte do atleta.

Juvêncio disse que a decisão de afastar Paulo Miranda foi tomada em um reunião entre o próprio presidente são-paulino, diretor de futebol, Adalberto Baptista, o vice-de futebol João Paulo de Jesus Lopes com o aval de Leão.

O dirigente ainda negou que haja uma instabilidade no São Paulo, garantindo que está tudo ‘em ordem’. Após a derrota para a Ponte Preta, Leão disse que a decisão de afastar o jogador era ‘desagradável’, indicando que ele não concordava com a decisão.

Paulo Miranda foi afastado do elenco do São Paulo horas antes da partida com a Ponte, na quarta-feira. Criticado por ter falhado em dois momentos cruciais na derrota para o Santos, o jogador passou a treinar separadamente, sob a justificativa de ser ‘preservado’.