Publicado em: sexta-feira, 30/09/2011

Presidente do Iêmen disse que renuncia se rivais não assumirem seu lugar

Em entrevista divulgada nessa sexta-feira, dia 30 de setembro, o presidente do Iêmen, Ali Abdullah Saleh, afirma que renuncia o cargo somente se seus principais rivais não assumirem seu lugar no poder. Essa posição pode adiar o impasse no Iêmen.

Abdullah Saleh disse para o jornal The Washington Post e à revista Time que se o poder for passado para esses rivais, irá significar que eles cederam a um golpe planejado. O presidente está no poder a 33 anos e persiste apesar dos oito meses de protestos intensos exigindo sua saída.

Houve até uma tentativa de assassinar Abdullah Saleh, em junho. Isso o mandou para a Arábia Saudita por três meses, onde ficou se tratando de graves queimaduras. Porém, na semana passada, voltou, surpreendentemente, ao Iêmen, e interrompeu todas as negociações sobre um plano de mudança intercedida por países do Golfo.

Os protestos e ataques continuam no país. Mais de 100 pessoas já foram mortas em duas semanas somente na capital. Exércitos fiéis a Abdullah Saleh combatem as tropas comandadas pelo general rebelde Ali Mohsen e as lideradas pelo líder tribal Sadeq a-Ahmar. O irmão de Ahmar, Amid al-Ahmar tem interesse na presidência.