Publicado em: sexta-feira, 25/04/2014

Premiê ucraniano acusa Rússia de querer a ‘terceira guerra mundial’

Premiê ucraniano acusa Rússia de querer a terceira guerra mundialNa manhã desta sexta-feira (25), o primeiro-ministro interino da Ucrânia, Arseni Yatseniuk, afirmou, durante o Conselho de Ministros, que a Rússia está disposta a iniciar a Terceira Guerra Mundial. Segundo o premiê, o governo russo tem apoiado as manifestações separatistas no leste do país.

Arseni vê as últimas ações da Russia como uma forma de afrontar a soberania do povo ucraniano. “O europeu ainda não esqueceu a Segunda Guerra e as recentes ações de Putin é querer reviver o horror pelo que o mundo passou”, afirma.

O premier fez um apelo para que a comunidade internacional se posicione contra ao apoio russo aos movimentos separatistas e terroristas pois ao fazer isso, a Rússia comete crimes internacionais.

O ministro da Defesa ucraniano, Mykhailo Koval, afirmou que o exército russo tem realizado inúmeras ações militares na fronteira com o país e em muitos casos, ficam a menos de um quilômetro de distância. Além dos soldados, Koval informou que helicópteros também têm feito das operações russas e, segundo, a Ucrânia está preparada para revidar a qualquer ataque que a Rússia tente fazer.

O clima de instabilidade política na Ucrânia e a tensão com a Rússia, sobretudo após a anexação da Criméia, deram início a movimentos separatistas com idéias afins às russas. Koval assegura que a partir de agora, o país combaterá a qualquer tentativa de independência dentro do país.

Em contrapartida, a Rússia tem perdido com as últimas ações. No fim de março o país foi deixado de fora do G8, o grupo dos 8 países mais ricos do mundo, e nesta sexta-feira (25), a agência de classificação financeira Standard & Poor’s rebaixou a nota da dívida russa de “BBB” para “BBB-“, diminuindo a credibilidade do país frente à comunidade internacional e capital estrangeiro.

Pró-Ocidente, na concepção do governo provisório ucraniano, terrorista é todo o cidadão ucraniano que possui um posicionamento favorável à Rússia.