Publicado em: sexta-feira, 13/06/2014

Prefeito de São Paulo aprova aumento de subsídio para Programa Mais Médicos

Prefeito de São Paulo aprova aumento de subsídio para Programa Mais MédicosA legislação que permite o aumento de subsídio para profissionais participantes do Programa do Governo Mais Médicos, foi promulgada pelo Prefeito Fernando Haddad e sua publicação foi feita na edição desta quinta-feira no Diário Oficial de São Paulo.

Os médicos que antes recebiam R$ 2.567, agora com a nova legislação passam a receber R$ 3 mil para utilizar no pagamento de aluguel e também na alimentação, além do recebimento de R$ 230 reais que é para despesas com transporte.

A lei prevê que o valor de aumento do subsídio dado aos profissionais pode chegar até o valor de R$ 663, o valor que é como ajuda de custo irá ter seu depósito efetuado direto na conta dos profissionais que integram o programa.

O programa Mais Médicos do Governo Federal, tem como principal objetivo trazer profissionais de fora do Brasil para atuarem aqui no país, com o pagamento de uma bolsa no valor de R$ 10 mil.

O Mais Médicos teve sua criação feita no ano de 2013 e o programa deve ser visto como uma das vitrines da atuação do governo de Dilma Rousseff no país e deve servir como um dos aspectos que será utilizado na campanha para reeleição da presidente e também da candidatura do ex ministro Alexandre Padilha ao Governo do Estado.

Porém o programa foi muito criticado pela classe dos profissionais de medicina e também pela oposição, uma das criticas mais realizadas se deve ao fato de que parte do dinheiro é encaminhado para Cuba, no caso de profissionais cubanos contratados pelo programa, estes recebem o valor de R$ 2.776.10 e o restante desse valor fica com o Governo Cubano, que faz a retenção de valor.

A prefeitura de São Paulo justifica que o aumento de subsídio se faz necessário, porque o projeto do Governo têm dentre as regras dos Programas Mais Médicos, a que diz que os municípios que participarem do programa tendo profissionais atuantes nestes, tem de arcar com os custos de alimentação, transporte e também com hospedagem dos profissionais.