Publicado em: sexta-feira, 07/03/2014

Preços dos alimentos no mundo têm maior aumento desde 2012

Preços dos alimentos têm maior aumento em todo o mundo desde 2012As mudanças climáticas, o crescimento populacional e o aumento da tensão entre os países na Europa, sobretudo na Ucrânia, fizeram com o que os preços dos alimentos tivessem um aumento de 2,6% em todo o mundo entre os meses de janeiro e fevereiro.

De acordo com os dados da Agência para Agricultura e Alimentação das Nações Unidas (FAO) divulgados na última quinta-feira (06), o índice alcançou o recorde de 208,1 pontos e segunda os analistas, a tendência para que aumente ainda mais em março.

O aumento da tensão entre Rússia e Ucrânia e a onda de protestos no Leste Europeu fizeram com que os preços do trigo e milho sofressem um reajuste além do esperado. Uma vez que os grãos ucranianos são comercializados em diversos países europeus.

Os números colhidos pela FAO são baseados a partir de uma comparação entre os preços em todo o mundo, os alimentados comparados são aqueles presentes nas cestas básicas, exceto os perecíveis. Dentre os maiores responsáveis pelo aumento está o açúcar com 6,2 e óleo com 4,9%.

O aumento do preço do açúcar deve-se à seca que assola o Brasil e a insegurança dos empresários quanto ao comprometimento das lavouras, em comparação com o ano passado, o valor do açúcar havia diminuído 23,8%.

No caso dos azeites e óleos, o aumento de 4,9% deve-se ao fato de que o clima do Sudeste da Ásia e América do Sul está fora do normal e vem preocupando agricultores dos dois continentes. Em vários países, como o caso do Brasil, Argentina e Indonésia, as secas destruíram milhares de hectares.

No caso da carne, houve um decréscimo em relação a janeiro de 0,5% e está é a segunda queda no valor da carne, que em janeiro caiu 2,03%.