Publicado em: sábado, 08/12/2012

Preço de combustíveis faz com que voos ao Nordeste fiquem mais caros do que para a Argentina

 Economia - Preço de combustíveis faz com que voos ao Nordeste fiquem mais caros do que para a ArgentinaO valor das passagens para o Nordeste no verão deste ano está mais alto do que o preço cobrado para viagens até Buenos Aires, capital da Argentina. Diferenças nos preços cobrados por causa do combustível cobrado para cada destino, fora haver uma procura maior de viagens dentro do país durante esta temporada, são alguns dos motivos demonstrados por companhias aéreas para que o preço cobrado dentro do país seja mais caro.

Devido a cobrança de ICMS de 19% sobre o valor dos combustíveis, por média, para que um avião seja abastecido e voe dentro do país fica mais caro do que seja abastecido para voar para fora do país.

Empresas aéreas de outros países e até mesmo brasileiras pagam para voar para fora do país apenas R$ 1,98 o litro no aeroporto de Guarulhos, já para voos dentro da nação o valor cobrado pelo mesmo litro neste mesmo local custa R$ 2,65.

Somado a isto, tem o fato de que o avião abastecendo em outro país paga menos ainda. Em Buenos Aires, o valor do querosene para aviação custa, em média, R$ 1,85, o que significa 38,2% a menos do preço que é cobrado no aeroporto de Guarulhos em voos no país.

E esse valor na Argentina é cobrado apenas das estrangeiras. A Aerolíneas Argentina não paga os 21% de IVA cobrado das estrangeiras. Nos Estados Unidos, as empresas pagam 40% a menos do que o valor cobrado para voar dentro do Brasil, inclusive com impostos.

O valor cobrado pelo ICMS cria diferenças de valor pelo Brasil. Rio de Janeiro e Minas Gerais tiveram redução do imposto e conseguiram que mais voos fosse atraídos para os seus aeroportos nos últimos anos, os estados tem 12% e 11%, de maneira respectiva, contra 25% em SP.

O preço do combustível representa atualmente algo entre 40% e 45% de todos os custos que as companhias aéreas têm. Em três anos, este valor subiu aproximadamente 58% em todo o país.