Publicado em: segunda-feira, 31/03/2014

PR: Professores estaduais aprovam indicativo de greve para o final de abril

PR: Professores estaduais aprovam indicativo de greve para o final de abrilSe a educação de Curitiba parou em greve pelas poucas condições de trabalho e o excesso de promessas não cumpridas, agora é a vez da rede estadual cruzar os braços como demonstração de descontentamento. Em assembleia realizada na capital paranaense, a APP-Sindicato reuniu seus 29 núcleos para decidir se e quando começaria a greve dos professores e funcionários. O consenso foi de que, a partir do dia 23, os trabalhos serão interrompidos.

Mais de mil profissionais participaram da reunião, na qual houve debates sobre a situação política do Estado e as condições da educação, além das reivindicações do órgão que representa a classe. O apoio ao indicativo de greve foi de quase 100%, decidido em votação democrática, e a adesão será de todas as instituições estaduais de ensino do Paraná.

Também ficou definido que nos dias 23, 24 e 25 de abril, professores farão acampamento em frente ao Palácio Iguaçu, sede do Governo do Estado, para que o governador Beto Richa veja que os profissionais estão engajados na luta. A campanha “Hora-atividade pra Valer” também será mantida, buscando 33% do período de trabalho para o estudo e desenvolvimento das aulas.

Outras reivindicações da categoria são a implantação do Piso Nacional no Estado, com a mesma faixa de reajuste no Piso Regional dos funcionários das escolas, e a quitação de promoções e progressões de carreira em atraso. A pauta ainda contem pedidos para que volte a ser pago o auxílio transporte para quem está de licença médica, aprimoramento no contrato do Processo Seletivo Simplificado (PSS) e maior qualidade de atendimento em saúde para os trabalhadores da categoria.

Na UFPR, indicativo caiu

No último dia 26, os professores e funcionários da Universidade Federal do Paraná realizaram assembleia, onde decidiram encerrar o indicativo de greve dos profissionais. Entretanto, a categoria afirmou que segue na luta por maiores salários e melhores condições de trabalho e carreira. Nesta semana, representantes da UFPR estarão em Brasília junto com representantes de outras instituições federais de ensino, para buscar soluções junto ao governo federal.