Publicado em: segunda-feira, 10/03/2014

PR: Já chega a quatro o número de obras de infraestrutura que não ficarão prontas para a Copa do Mundo

PR: Já chega a quatro o número de obras de infraestrutura que não ficarão prontas para a Copa do MundoSe a principal justificativa para os elevados gastos com a Copa do Mundo em Curitiba era o legado pelas evoluções estruturais, a população tem mais dois motivos para aumentar o repúdio à realização dos jogos, e especialmente à forma com que os gestores públicos têm administrado o dinheiro destinado às intervenções.

As obras na alça de acesso da Avenida Senador Salgado Filho, além da renovação completa do Terminal Santa Cândida, não serão concluídas até a realização dos jogos na capital paranaense. Os administradores do Estado e do Município prometem que as intervenções serão concluídas, mas já negociam com o Ministério das Cidades para não haver cancelamento dos repasses de recursos até então garantidos, e que agora estão em risco por conta dos atrasos.

Com isso, sobe para quatro o número de intervenções de mobilidade urbana que não serão concluídas a tempo do evento, e que estavam previstas na Matriz de Responsabilidades. As outras duas são o Corredor Metropolitano, removido do PAC da Copa pelo governo estadual, e a requalificação da Avenida Cândido de Abreu, de responsabilidade da Prefeitura de Curitiba.

Para evitar perdas financeiras, a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) solicitou ao Ministério das Cidades que a obra na Avenida Senador Salgado Filho seja remanejada para o PAC Mobilidade Urbana. O principal entrave para a evolução dos trabalhos foi uma briga judicial com três dos quatro proprietários de imóveis desapropriados, que elevaram de R$ 3 milhões para R$ 13 milhões os custos, que não foram autorizados pela Procuradoria Geral do Estado (PGE). Mesmo com o recurso garantindo redução para R$ 8 milhões, o custo ainda é considerado muito acima do aceitável.

O coordenador geral da Copa no Paraná, Mário Celso Cunha, afirmou que a não conclusão da obra não trará impacto para o Mundial, uma vez que os principais corredores viários da cidade serão entregues até maio. Segundo ele, a requalificação da Salgado Filho será entregue após os jogos.

Distante e muito atrasado

O outro caso é o do Terminal Santa Cândida, no extremo norte da cidade, muito longe da rede hoteleira e da Arena da Baixada. A inclusão da obra no cronograma da Copa foi questionada desde o começo dos trabalhos, que avançaram apenas 30%. Pelo ritmo dos trabalhos, a prefeitura já admitiu que a obra não será concluída a tempo do evento, e a tirou completamente dos planos.

De acordo com o secretário municipal da Copa, Reginaldo Cordeiro, também foi solicitada a transferência do planejamento financeiro do terminal para o PAC da Mobilidade. Ele afirmou que houve sinalização de que é possível deixar a obra como está sem perda dos recursos, e que a prefeitura aguarda o posicionamento oficial do governo federal.