Publicado em: segunda-feira, 25/07/2011

Pouso da Atlântis levanta discussões sobre importância dos ônibus espaciais

Com o final do programa dos ônibus espaciais da NASA, críticos do programa analisam quais os pontos negativos e positivos da jornada que durou 30 anos. Entre estes, uma das principais vantagens com o investimento no espaço é o desenvolvimento da tecnologia que depois pôde ser empregada no planeta para melhorias da vida humana. Ao mesmo tempo, os gastos com o programa são os maiores contrapontos à possibilidade de continuar com esse tipo de exploração.

Entre algumas das vantagens advindas do programa dos ônibus espaciais enviados à Estação Espacial Internacional (ISS) estão os mapas topográficos com mais detalhes sobre a Terra existentes hoje, ganhar mais conhecimento a respeito do funcionamento do universo, da Terra e dos planetas vizinhos, questões sobre o processo de envelhecimento humano e, inclusive, melhorias para a produção do leite em pó. Tecnologias empregadas em cirurgias e procedimentos médicos também podem ter sido desenvolvidas por pesquisas nos ônibus espaciais.

Ao mesmo tempo, para o professor de física da Universidade de Maryland, Bob Park, tudo o que dizem ter sido responsabilidade das viagens espaciais foi, na verdade, desenvolvido na Terra para depois ser testado em um ambiente sem gravidade. O cientista escreveu diversos livros os quais tentam quebrar certos mitos que serviram como alavancas para vendas da NASA.

No balanço final, o trabalho da NASA acaba tendo mais prejuízos por não ter atingido o objetivo inicial, que seria permitir a viagem ao espaço para qualquer pessoa e tornar o meio de transporte acessível. Atualmente, ainda é necessário que a tripulação seja altamente qualificada e o custo é alto.