Publicado em: quarta-feira, 11/06/2014

Poucas horas de sono pode trazer ‘mudança dramática’ no funcionamento do organismo

Poucas horas de sono pode trazer ‘mudança dramática’ no funcionamento do organismoDormir pouco pode trazer sérias consequências ao organismo. De acordo com especialista britânicos, noites mal dormidas podem trazer efeitos profundos sobre o funcionamento do corpo humano. Um estudo feito chegou à conclusão de que as atividades de muitos genes no organismo são alteradas quando a noite de sono é de menos de seis horas por noite durante toda a semana.

Segundo um artigo que foi publicado pela Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS), os responsáveis pela pesquisa afirmaram que os resultados do estudo fizeram com que fosse possível entender como o sono insuficiente é prejudicial à saúde. Além disso o fato de dormir pouco, pode desencadear doenças cardíacas, diabetes, obesidade e mau funcionamento do cérebro. Os pesquisadores da Universidade de Surrey, na Inglaterra, conseguiram unir amostras de sangue de 26 pessoas, depois de uma semana, elas terem dormido até dez horas. Já na segunda fase do processo, voluntários precisaram passar uma semana tendo más noites de sono, dormindo menos que seis horas por noite, para se obter um resultado foram precisos a coleta de sangue novamente.

Alterações

Com o resultado das amostras, foi possível observar que mais de 700 genes do organismo tiveram suas atividades alteradas após as poucas horas dormidas.Os estudiosos explicam que, cada gente possui instruções da fabricação de uma proteína, por isso, os que tiveram suas atividades ligadas sem interrupções, produziram maior quantidade de proteínas, isso foi responsável diretamente pela configuração química no corpo de quem passou pelos testes.

Entre tantos problemas que são desencadeados com a falta de sono, o relógio natural também é alterado. As atividades dos genes têm picos altos e bairro durante todo o dia, entretanto, com o déficit de sono, ele fica enfraquecido. De acordo com Colin Smith, da Universidade de Surrey, para BBC, relatou que aconteceu uma mudança ‘dramática’ na função de diversos tipos de genes.