Publicado em: quarta-feira, 02/04/2014

Portuguesa decide ir a Justiça Comum por vaga na Série A do Campeonato Brasileiro

Portuguesa decide ir a Justiça Comum por vaga na Série A do Campeonato BrasileiroDepois de quase desistir, a Portuguesa decidiu, enfim, acionar a Justiça Comum para disputar a Série A do Campeonato Brasileiro de 2014. O clube até tentou fazer uma negociação com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF), mas as conversas fracassaram. Os dirigentes da Lusa pedem que o julgamento do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), que puniu o time por causa da escalação irregular do meia Héverton, na última rodada do Brasileirão do ano passado, seja anulado.

Com os quatro pontos perdidos noo julgamento do STJD, a Portuguesa consequentemente terminou o Brasileirão de 2013 entre as quatro últimas equipes. No mês passado, a CBF divulgou a tabela da Série B e incluiu a Lusa, enquanto na Série A, quem está incluído é o Fluminense, que seria rebaixado caso não houvesse punição para o clube paulista.

Para se manter na elite, a Portuguesa alega que o julgamento foi baseado no artigo 133 do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD), entretanto, os dirigentes garante que o regulamento foi anulado no ano de 2010 pelo Estatuto do Torcedor. Em janeiro deste ano, torcedores da Lusa ganharam liminares na Justiça Comum, mas depois disso, a CBF cassou as liminares e assim, divulgou a tabela do Campeonato Brasileiro de 2014.

Apesar da decisão da Portuguesa, o presidente do clube, Ilídio Lico, ficou em dúvida até o início desta semana, mas foi convencido por outros dirigentes, após reunião na última segunda-feira (31 de março). O clube rubro-verde até tentou negociar com a CBF sobre uma possível compensação financeira, como o recebimento de cotas da televisão de times da Primeira Divisão, mesmo disputando a Segundona.

Departamento jurídico da Portuguesa entrou com ação na Justiça Comum

Entretanto, a CBF não aceitou o acordo e ainda pediu para que a Portuguesa não brigasse na Justiça Comum para mudar o resultado do julgamento do STJD. Agora, a Lusa recorreu à 43ª Vara Cível de São Paulo. A ação foi feita pelo vice-presidente jurídico do clube, Orlando Cordeiro de Barros, e o advogado Daniel Neves.