Publicado em: quarta-feira, 19/02/2014

Portuguesa decide ir à Justiça Comum contra CBF

Portuguesa decide ir à Justiça Comum contra CBFApós um curto período de tranquilidade, a polêmica envolvendo a perda de pontos da Portuguesa no Campeonato Brasileiro de 2013 voltou à tona. Após reuniões do Conselho Deliberativo do clube, ficou decidido que a Lusa fará uma última tentativa para continuar na divisão de elite do Brasileirão. Nesta terça-feira, 18 de fevereiro, os conselheiros discutiram se tentariam ou não anular o que foi decidido pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva). Apesar das possíveis sanções ao clube, a Portuguesa optou por correr os riscos.

Decisão unânime

A reunião desta terça-feira contou com membros do Conselho Deliberativo e dirigentes do clube, incluindo Ilídio Lico, atual presidente da Lusa. A decisão sobre entrar na Justiça Comum não causou nenhuma controvérsia, sendo aprovada por unanimidade.

Contudo, apesar da tranquilidade na votação, a reunião teve seus momentos de tensão, principalmente durante a leitura das possíveis sanções que a Portuguesa pode sofrer pela entrada na Justiça Comum. Em caso de derrota, a equipe pode até mesmo chegar a ser desfiliada da CBF, não podendo participar de nenhuma competição organizada pela entidade.

Derrotas

Esta será a última tentativa da Portuguesa de continuar na primeira divisão do Campeonato Brasileiro, já que a equipe foi derrotada no STJD em duas ocasiões. Após os fracassos, muitos torcedores da Lusa entraram com ações na Justiça Comum, chegando inclusive a obter liminares favoráveis à equipe. Contudo, a CBF conseguiu cassar todas estas liminares, encerrando mais esta possibilidade para a Lusa. Ao todo, quatro liminares foram cassadas.

Roberto Senise, promotor do Ministério Público de São Paulo, também tentou manter a equipe na elite do futebol brasileiro através de uma Ação Civil Pública, mas teve sua liminar negada. A Justiça estabeleceu, também, que a responsabilidade pelos julgamentos é dos tribunais cariocas. A Portuguesa gostaria que os tribunais paulistas se responsabilizassem pelo caso.

Bola de neve

Desde que a Portuguesa perdeu quatro pontos devido à escalação de Héverton na última rodada do Campeonato Brasileiro de 2013, a situação tem se complicado cada vez mais. Inicialmente, o clube tentou entrar com duas ações no STJD, perdendo ambas por unanimidade. Neste meio tempo, o Ministério Público de São Paulo passou a investigar a possibilidade de que funcionários da própria Lusa teriam recebido dinheiro para omitir a suspensão ao atleta, fazendo com que ele fosse a campo sem que a comissão técnica soubesse da impossibilidade de sua atuação.

De acordo com Roberto Senise, há indícios fortes de que dois funcionários da Lusa tenham sido os responsáveis pela omissão. Esta ação corre paralelamente aos processos relativos à permanência da Lusa na Série A. Desde que o caso teve início, a Portuguesa já passou de vítima a testemunha, além de também ter sido acusada no caso de omissão.

Por enquanto, há mais dúvidas do que respostas. Recentemente, chegou a ser discutida a possibilidade de que o Campeonato Brasileiro fosse disputado com um número maior de clubes, o que possibilitaria a manutenção da Lusa e do Fluminense na Série A. A CBF, entretanto, não se mostrou disposta a alterar a fórmula do Brasileirão.