Publicado em: terça-feira, 05/11/2013

Popularidade de Dilma cai entre os jovens entrevistados, diz pesquisa

Popularidade de Dilma cai entre os jovens entrevistados, diz pesquisaA notoriedade da presidente Dilma Rousseff apresentou uma inclinação negativa aguçada entre os mais jovens desde os movimentos de protestos há cinco meses. De acordo com pesquisa Ibope noticiada pelo jornal O Estado de S.Paulo no último domingo, a aceitação da mandatária do país desabou de 57% para 32% entre entrevistados com faixa etária entre 16 a 24 anos.

Numa fase anterior a onda de protestos motivada inicialmente por R$ 0,20 no aumento das tarifas de transporte público e que ganharam a adesão de boa parte dos brasileiros que passaram a defender diversas causas, uma analise Ibope apontou que 55% dos entrevistados avaliavam o governo bom ou ótimo.

A grande reviravolta da presidente está entre as pessoas com menos estudos e renda. Em junho, Dilma era acatada por 13,7 milhões de indivíduos que recebem até um salário mínimo. Durantes as manifestações o índice caiu pela metade, porém no mês passado aumentou em 12 milhões de aprovações.

Entre os que ganhavam mais de dois salários mínimos, por, entretanto, a aprovação da presidente permanece em queda, ao que parece, sem fôlego para se reconquistar. Essa intenção é notada também entre aqueles com ensino superior, a qual a concordância em relação ao governo era de 48% e, mês passado, 25%.

O retardamento na reconquista da aceitação por parte de Dilma está dentro do planejado pela equipe de marketing do governo federal, que aponta o período de quatro meses para que a popularidade da presidente volte a subir.

Nesse espaço de período, Dilma difundiu novos programas, percorreu várias cidades do país, se posicionou firmemente na questão da espionagem americana, da qual ela também foi vítima entre outras ações. A sua popularidade, entretanto, permanece estagnada.