Publicado em: segunda-feira, 03/03/2014

Popular analgésico pode trazer riscos ao desenvolvimento cerebral do feto

Analgésico pode trazer riscos ao desenvolvimento cerebral do fetoUm estudo publicado em um jornal de medicina dos Estados Unidos afirma que o uso de paracetamol, presente na maioria dos analgésicos mais populares, pode ser prejudicial ao desenvolvimento cerebral do bebê durante a gestação. Esta é a primeira vez ele é relacionado ao desenvolvimento de TDAH – transtorno de déficit de atenção com hiperatividade.

O relatório foi desenvolvido na Escola de Saúde Pública Fielding, da Universidade da Califórnia (UCLA), com a colaboração de cientistas dinamarqueses da Universidade de Aharus. Ele avaliou os casos de mais de 64 mil mães e filhos que participaram de levantamento entre 1996 e 2002. O número de mães que fizeram uso do paracetamol pelo menos uma vez durante a gestação foi superior a 50%.

A pesquisa demonstrou que as mulheres expostas à fórmula tiveram 37% mais risco de que seus filhos desenvolvessem alguma forma severa de TDAH. Outra constatação é que elas tiveram as chances de ter filhos aos quais foram prescritos remédios para o TDAH 29% maiores, além se 13% mais riscos de que as crianças tivessem, aos sete anos, sintomas semelhantes aos do TDAH.

Pesquisa ainda é o primeiro passo na busca pelo causador do transtorno

Os perigos ficaram maiores quanto mais foi utilizado o paracetamol, especialmente nos segundo e terceiro trimestres da gravidez. O risco de TDAH cresceu mais de 50% quando as gestantes consumiram o medicamento por mais de 20 semanas.

Para comprovar a relação entre o uso do medicamento e o transtorno de déficit de atenção com hiperatividade. Os especialistas envolvidos na pesquisa afirmaram que os resultados divulgados são apenas um vinculo preliminar entre os fatores estudados, e que esta pesquisa não serve para comprovar que o medicamento seja causador do TDAH.