Publicado em: quinta-feira, 01/09/2011

Policial aposentado recebia R$ 40 mil para revelar informações à milicianos

A Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco) responsável pela Operação Pandora informou na manhã desta quinta-feira (1°) que um policial civil lotado da Secretaria de Segurança era o responsável por entregar as ações policiais para os milicianos, para realizar o serviço o policial recebia R$ 40 mil pelas informações. Já foram presos nove pessoas que estavam relacionadas com estes milicianos, quatro foram detidos nesta quarta-feira (31) e os outros cinco já estavam presos por outros crimes.

O agente policial já estava aposentado desde o ano passado e tem até está quinta-feira para se apresentar na Draco. O principal motivo da Operação Pandora era prender milicianos ligados à Liga da Justiça, grupo que é comandado pelos irmãos Natalino e Jerônimo Guimarães, os dois já estão presos desde 2008 em um presídio de segurança máxima em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. O grupo é responsável por homicídios, extorsões, posse e porte ilegal de armas, entre outros crimes.

A operação visa cumprir 18 mandatos de prisão e 33 mandatos de busca e apreensão. Até o momento dos policiais já apreenderam um carro, uma pistola calibre 380 e mais R$ 45 mil em dinheiro e em cheques. Também foram encontrados vários documentos relativos a máquinas caça-níqueis e de segurança clandestinas e também apreenderam uma máquina de contar cédulas.

A ação teve a participação de 150 agentes da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e também da Subsecretaria de Inteligência da Secretaria de Estado de Segurança e diversas outras delegacias da região e especializadas.