Publicado em: segunda-feira, 22/08/2011

Policiais Militares envolvidos no caso Juan tiveram prisão temporária prorrogada

Foi prorrogada na última sexta-feira (19) a prisão dos policiais militares que foram acusados pela morte do garoto Juan Morais de 11 anos, que foi assassinado no mês de junho deste ano na comunidade de Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A Justiça do Rio de Janeiro determinou que a prisão temporária dos quatro PMs aumentasse em mais 30 dias. A decisão foi tomada pela 4ª Vara Criminal.

A juíza Bianca Paes Noto, responsável pela prorrogação, afirmou que a prisão temporária dos PM acusados é necessária porque ainda estão sendo realizadas algumas diligências para a obtenção de maiores informações para o prosseguimento das investigações do ocorrido e ainda falou que a liberdade dos policiais poderia atrapalhar a colheita de provas.

O garoto Juan morreu durante uma suposta troca de tiros entre traficantes e policiais militares no dia 20 de junho. Na primeira perícia realiza em um corpo localizado a 2 km do crime determinou que fosse o corpo de uma menina, porém o corpo era de Juan.

A versão dos sargentos Isaías Souza do Carmo e Ubirani Soares e dos cabos Rubens da Silva e Edilberto Barros do Nascimento foi derrubada pela perícia. Além do assassinato de Juan e também do suposto traficante de 17 anos, Igor de Souza Afonso, os policiais poderão responder pela tentativa de assassinato do irmão de Juan, de 14 anos e também de um vendedor, de 19 anos, que estava no local que foram baleados e passaram então a fazer parte do programa de proteção a testemunha.