Publicado em: sábado, 28/04/2012

Polícia Federal estima que Demóstenes recebeu R$ 3,1 milhões de Cachoeira

A Polícia Federal gravou conversas entre Carlinhos Cachoeira e outros membros do grupo que mostram que o senador Demóstenes Torres recebeu dinheiro da quadrilha. Segundo as gravações, Demostenes pode ter recebido até R$ 3,1 milhões pelos “serviços” prestados ao empresário Carinhos Cachoeira. Cachoeira foi preso peso pela Polícia Federal na Operação Monte Carlo, quando foi descoberto o esquema de exploração do jogo do bicho no estado de Goiás. A polícia suspeita, partindo das informações oferecidas pelas gravações, que pelo menos R$ 1 milhão dos R$ 3,1 milhões já foram depositados na conta do senador.

Ontem, Ricardo Lewandowski, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e responsável pela relatoria do inquérito que deve investigar Demóstenes pela relação com o empresário dos jogo do bicho, autorizou que três comissões do Congresso usem os documentos de investigação. Uma das Comissões foi instaurada esta semana no Congresso. Trata-se da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI). O objetivo da CPMI é investigar a relação de Cachoeira com agentes públicos.

O diálogo que acusa o senador de já ter recebido dinheiro do grupo foi divulgado no dia 28 de março pelo Jornal Nacional. Trata-se de uma conversa entre o empresário Cachoeira e um outro integrante do grupo Geovani Pereira da Silva, o qual é apontado como tesoureiro do grupo. Na conversa cachoeira diz que o R$ 1 milhão que está com o tesoureiro é do senador. Há também uma outra conversa entre Cachoeira e Cláudio Abreu, ex-diretor da Delta no Centro-Oeste, em que ambos se referem a uma grande quantidade de dinheiro e também citam o nome do senador.

Outra conversa, gravada no dia 22 de março de 2011, também mostra Carlos Cachoeira e Cláudio Abreu falando sobre R$ 3 milhões de reais. O advogado de Demostenes e Cachoeira foram procurados, mas não foram localizados para falar sobre o assunto. Há ainda conversas que envolvem o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB). Embora Demostenes tenha dito que não tem contato com Cachoeira, gravações mostraram ainda os dois marcando encontro.