Publicado em: domingo, 17/08/2014

Polícia Federal dá início ao mapeamento 3D na área em que foi atingida pelo avião

Polícia Federal dá início ao mapeamento 3D na área em que foi atingida pelo aviãoNessa sexta-feira (15), a Polícia Federal dará início ao mapeamento 3D da área atingida pelo acidente aéreo que levou a morte do candidato à Presidência da República Eduardo Campos (PSB), e mais seis pessoas, enquanto voava em Santos, no litoral de São Paulo. Todas as imagens serão gravadas usando um drone – veículo aéreo que carrega uma câmera não tripulado. A princípio, o mapeamento será realizado com base nas primeiras fotos e vídeos que foram detectados pelos peritos, a partir disso será realizada uma possível reconstituição dos fatos que aconteceram antes do avião chegar ao solo. Com todo o material que foi recolhido, a Polícia Federal pretende conseguir decifrar e entender o caso e por meio do equipamento, acompanhar o trajeto que foi feito pela aeronave.

Em meio a todos os aparelhos que foram usados pelos agentes em terra, estão um scanner laser 3D, que é usado para documentação de acidentes e trabalhos forenses. Este equipamento é composto por 0,4 milímetro de precisão e a 500 mil pontos de taxa de mediação por segundo. Além disso, aparelho também é capaz de realizar um levantamento métrico, gráfico e fotográfico do local desejado. De acordo com os pontos que foram apontados pela equipe, o equipamento é apto para fazer um giro completo de 360º de captura da área selecionada. Logo em seguida, ele é levado a uma outra área, onde realiza novas digitalizações.

Resultado e interdição

Por fim, o resultado é uma imagem digital 3D, completa com todos os detalhes que precisam ser apurados do local do acidente. Para que esse trabalho fosse facilitado, a polícia solicitou que à Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) de Santos, ampliasse o espaço das ruas que foram isoladas. Por conta disso, houveram algumas modificações, por exemplo: a interdição da Rua Vahia de Abreu para os motoristas se estende da Avenida Francisco Glicério até a Avenida Washington Luiz – Canal 3. Para os jornalistas que estão trabalhando no local, a Rua Alexandre Herculano ficou interditada da Avenida Washington Luiz (Canal 3) até a Rua Armando Sales de Oliveira.