Publicado em: quinta-feira, 06/06/2013

Polícia de Los Angeles afirma que Paris Jackson só queria chamar atenção

Polícia de Los Angeles afirma que Paris Jackson só queria chamar atençãoA polícia da cidade de Los Angeles afirmou que Paris Jackson, filha do eterno rei do pop Michael Jackson , só quis chamar a atenção pra si com a tentativa de suicídio na madrugada desta quarta-feira (05).
O responsável pelo departamento policial que investiga o caso afirmou que a adolescente quis na verdade ser salva. De acordo com informações divulgadas pelo site “TMZ”, Paris Jackson deu entrada no hospital da Califórnia nesta quarta-feira depois de tentar cortar os pulsos.
A adolescente de 15 anos estava consciente quando foi atendida pela ambulância em sua mansão na cidade de Calabasas, nos Estados Unidos.
Segundo o portal especializado em celebridades, antes da tentativa de suicídio, Paris teria telefonado para um serviço de emergência, e também tomou algumas doses de Motrin, um anti-inflamatório usado em pacientes que fizeram algum tipo de cirurgia e que não causa graves danos a saúde.
Uma fonte disse ao “TMZ” que a menina telefonou para a central de ajuda só para chamar atenção, pois tinha certeza que o socorro chegaria a tempo, pois ninguém toma o remédio Motrin com a intenção de se matar.
A mãe da adolescente, Debbie Rowe, confirmou ao “Entertainment Tonight” que Paris Jackson tentou mesmo se suicidar com cortes nos pulsos, e informou também que muita coisa tem acontecido na vida de sua filha.
Uma fonte próxima a garota revelou ao “TMZ”, que esta não foi a primeira vez que Paris Jackson tentou se matar, e que no passado ela já tinha tentado o suicídio.
Na última terça-feira (04), Paris usou sua conta na rede social Twitter para compartilhar o trecho da canção “Yesterday”, dos Beatles. Além disso, antes de cortar os pulsos com uma faca de cortar carnes, a menina deixou uma carta de despedida.
Paris Jackson e Debbie Rowe voltaram a se falar há pouco tempo, e não mantinham nenhuma ligação desde que Debbie decidiu se divorciar de Michael Jackson em 1999.