Publicado em: sábado, 13/08/2011

Polícia britânica rejeita críticas feitas pelo primeiro-ministro referentes às noites de violência

Em resposta ao pronunciamento do primeiro-ministro britânico, David Cameron, dessa quinta-feira (11), no qual o premiê declarou que a polícia agiu de maneira lenta e equivocada perante os tumultos violentos que tomaram conta de Londres na última semana, o departamento da polícia local rejeitou tais críticas. Na opinião do premiê, o principal erro da polícia foi ter tratado o caso como uma desordem pública ao invés de criminalidade.

Durante entrevista concedida a jornalistas locais, o comissário interino da Scotland Yard (polícia britânica), Tim Godwin, afirmou que as declarações de Cameron causaram um mal-estar dentro do departamento. Além disso, Godwin rebateu dizendo que aqueles ausentes das cidades no momento em que os atos de violência aconteceram tem mais propensão a fazer comentários. Nesse sentido, o próprio primeiro-ministro estava de férias na Itália quando os tumultos começaram, pois essa é a época de recesso de verão no Parlamento. Quando Cameron retornou, o premiê já estava sofrendo críticas pela sua ausência.

Em defesa da sua atuação e também dos seus companheiros, Godwin acrescentou que “posso dizer que tenho alguns dos melhores comandantes do mundo e que mostraram grande coragem e moderação diante das cenas sem precedentes que vimos em Londres. Como resultado, conseguimos encerrar a crise após alguns dias. As questões sobre números e táticas são decisões policiais feitas por mim e pelos comandantes.”

As manifestações violentas começaram quando o cidadão londrino Mark Duggan morreu em meio a um tiroteio com a polícia. Na medida em que a sua morte foi divulgada, diversos bairros de Londres e outras cidades menores ao redor da capital aderiram aos atos de vandalismo e violência.